Biogeografia: a pesquisa da distribuição da vida na Terra

por Ubirajara Oliveira

Desde os primórdios da humanidade, o ser humano vem buscando entender padrões que consegue encontrar na natureza, uma característica que foi fundamental para nossa sobrevivência. Nossos ancestrais precisavam identificar onde encontrar os animais que serviam de caça, bem como saber em quais locais viviam seus predadores. Percebiam que as plantas que serviam como alimento ocorriam mais em uns lugares do que em outros, e os locais onde elas não eram encontradas. Também notavam que em determinadas épocas do ano as espécies que serviam de caça mudavam de lugar (migravam).

Esta percepção de padrões foi vital para nossa espécie. Essa busca por regularidades, ainda que instintiva, era o prelúdio do que viria a ser uma área científica importantíssima para o entendimento da distribuição da vida no planeta: a biogeografia!

Hominídeos caçando suas presas nos locais que onde eles percebiam que elas eram mais comuns.

Hominídeos caçando suas presas nos locais que onde eles percebiam que elas eram mais comuns.

Uma questão, aparentemente simples, mas muito interessante é: por que existem leões na África, mas não aqui no Brasil ou em nenhuma outra parte das Américas? Este tipo de questão fundamental é a base da biogeografia, que não só investiga os padrões de distribuição dos seres vivos como as suas causas. Uma questão aparentemente simples, como esta da distribuição dos leões, envolve a história evolutiva dos felinos e da própria história geológica da Terra.

Continuando com o nosso exemplo, a resposta para essa intrigante questão reside em como, onde e quando os ancestrais mais próximos dos leões evoluíram. Como era o ambiente onde viviam, em comparação ao dos seus descendentes atuais? Como o leão e seus ancestrais toleram diferentes condições ambientais? Quais os tipos de interações com outros organismos estes animais desenvolveram para sobreviver? Como os leões se deslocam e quanto podem se dispersar? Quais características da Terra, hoje e no passado, representam e representaram barreiras para esses animais? O conhecimento de todos esses fatores (e de vários outros), bem  como dos eventos que ocorreram por puro acaso, é essencial para a explicação desta simples pergunta.

Por que não há leões nas Américas?

Por que não há leões nas Américas?

Como a resposta à questão da distribuição dos seres vivos envolve uma série de fatores interligados, a pesquisa biogeográfica precisa contemplar o estudo de vários aspectos. Por isto a biogeografia é uma ciência multidisciplinar, que envolve diversas áreas do conhecimento como biologia (evolução, ecologia, paleontologia, zoologia, botânica, genética, microbiologia, etc), geografia (geoprocessamento, cartografia, análises espaciais, etc), geologia (tectônica de placas, gênese dos solos e relevos, etc) e computação (análise de grandes dados, gerenciamento de bancos de dados, programação, etc), além de uma série de outras áreas que direta ou indiretamente estão envolvidas no seu objeto de estudo.

A pesquisa biogeográfica envolve tanto a investigação dos padrões e processos envolvidos na distribuição de espécies individuais, quanto no estudo dos padrões de conjuntos de espécies. Padrões de riqueza (número de espécies em um determinado local), composição de espécies (quais espécies ocorrem em cada local) e endemismos (de espécies que tem distribuição restrita) são alguns dos focos de estudo. A biogeografia estuda tanto padrões de espécies quanto grandes padrões gerais.

História
Os estudos biogeográficos começaram ainda com os primeiros naturalistas. Charles Darwin e Alfred Russel Wallace (os criadores da teoria da evolução) também realizaram pesquisas nesta área. Wallace inclusive é conhecido como um dos “pais” da biogeografia moderna. Ele propôs as regiões zoogeográficas, regiões com espécies típicas de animais que as diferenciavam das outras áreas do mundo. Além disso, identificou padrões de distribuição de primatas na Amazônia e de aves na Indonésia e Oceania. Nesta época, a biogeografia era focada na identificação de padrões e formulação de hipóteses que explicassem esses padrões.

Regiões zoogeográficas estabelecidas por Alfred Russel Wallace.

Regiões zoogeográficas estabelecidas por Alfred Russel Wallace.

 

No entanto, uma das questões relevantes para o entendimento da distribuição dos seres vivos ainda não estava bem esclarecida no fim do século XIX: como a superfície da Terra mudava?

A maioria dos pesquisadores acreditava que a superfície do planeta era predominantemente fixa, sem mudanças geográficas de nível continental. Apenas no início do século XX que o geógrafo alemão Alfred Wegener propôs que os continentes moviam-se ao longo do tempo. A sua teoria da Deriva Continental ficou esquecida por muito tempo, sendo confirmada apenas na década de 50 com o uso de radares submarinos. A teoria da Deriva Continental, juntamente à teoria da evolução, mudaram a forma como a biogeografia passou a ser estudada. A partir daquele momento, a distribuição dos organismos era estudada de forma dinâmica, pois as espécies e a Terra sofriam modificações que, ao longo do tempo, resultavam em mudanças nos padrões de distribuição.

Mudanças da posição dos continentes previstas pela teoria da Deriva Continental.

Mudanças da posição dos continentes previstas pela teoria da Deriva Continental.

A biogeografia atualmente tem crescido muito como área de pesquisa. Diversas ferramentas de pesquisa têm sido desenvolvidas, como modelos matemáticos para explicar os padrões de distribuição ou mesmo prever a distribuição das espécies, estudos moleculares para entendermos melhor a história evolutiva da distribuição das espécies, softwares de análise de dados geográficos e outras tantas ferramentas. Assim, hoje é possível estudar mais profundamente os processos e padrões de distribuição das espécies. Esses estudos, além de permitirem entendermos melhor a natureza, também permitem que adotemos melhores estratégias para conservação da biodiversidade.

separador2

Esta interessante área de pesquisa científica que integra tantas áreas, sempre me encantou. Assim, eu, que sou biólogo, decidi seguir por este instigante campo de estudo e atualmente trabalho com pesquisas em biogeografia. Pessoalmente, acredito que o ensino dessa área seja muito importante para a formação de biólogos e mesmo de pesquisadores de outras áreas. Por este motivo, disponibilizo na internet algumas aulas e cursos que ministrei sobre o tema, além de outros materiais para quem se interessa ou trabalha nessa área. Ei-los!

s Canal do youtube com as minhas aulas, cursos e palestras sobre biogeografia:
https://www.youtube.com/channel/UCHPvzHYZSwelmA2ZiFLWq9w/videos

s Site sobre minhas pesquisas e links úteis para quem faz pesquisa na área de biogeografia:
http://biogeografia.bio.br/

s Vídeo de divulgação científica de uma das minhas pesquisas mais recentes:
https://youtu.be/PnjE3GuSxpE

 

s Vídeo da série “AS EVIDÊNCIAS DA EVOLUÇÃO”, do canal PAPO DE PRIMATA, listando evidências evolutivas dadas pela biogeografia:
https://youtu.be/X1mncclPt58

Veja tambÉm...

7 respostas

  1. Gabriel Longo disse:

    Milene Pereira, acho que você vai gostar, Symmetry

  2. Natasha Silveira adorrrooo ♡

Deixe uma resposta para Gabriel Longo Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

PAPO DE PRIMATA precisa ter certeza de que você não é um robô! Por favor, responda à pergunta abaixo: * Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>