Os Quatro Cavaleiros do Ateísmo

Richard Dawkins
(Quênia, 26 de março de 1941)

Um dos mais famosos militantes ateístas da atualidade, Clinton Richard Dawkins é biólogo evolutivo, etólogo e escritor britânico de grande sucesso. Vice-presidente da Associação Humanista Britânica e defensor do Movimento Bright (um projeto que visa disseminar o naturalismo e rejeitar superstições, misticismo e elementos sobrenaturais), Dawkins é bastante conhecido pelas suas severas críticas ao criacionismo e sua vertente disfarçada de ciência, o design inteligente. Seu combate à ignorância e ao fundamentalismo religioso tornou-o um ícone do ateísmo moderno.

Criou a Fundação Richard Dawkins para a Razão e a Ciência, para financiamento de pesquisas sobre a psicologia da crença e da religião, custeando programas de educação científica, divulgando e apoiando organizações de caridade seculares.

Dawkins, além de ser considerado um dos mais eminentes biólogos do nosso tempo, é um renomado autor, e no papodeprimata.com.br você poderá encontrar resenhas de vários de seus livros, entre eles “O Relojoeiro Cego”, “O Gene Egoísta“, “Deus, Um Delírio” e “O Maior Espetáculo da Terra – As Evidências da Evolução“.

Livro recomendado para a temática ateísta:
DEUS, UM DELÍRIO
(Clique aqui para ler a resenha)

Separator

Sam Harris
(Estados Unidos, 1967)

Neurocientista conhecido pelas suas pesquisas sobre a base neurológica das crenças, descrenças e incertezas, Harris também é filósofo e um talentoso escritor. Estudou profundamente diversas religiões, chegando à conclusão de que a fé não é apenas desnecessária, mas perigosa e eminentemente destrutiva. Conhecido pela sua veemência em criticar a imposição da fé e em anunciar que a sobrevivência da civilização está em perigo por causa do fanatismo religioso, ele defende que já passou da hora da humanidade adotar o humanismo secular como postura filosófica honesta e racional.

Harris afirma que a suposta ligação entre fé religiosa e moralidade é um mito, não baseado em evidências ou estatísticas reais, observando, por exemplo, que países altamente secularizados, como os escandinavos, estão dentre os mais generosos para com o terceiro mundo.

Livro recomendado para a temática ateísta:
CARTA A UMA NAÇÃO CRISTÃ
(Clique aqui para ler a resenha)

Separator

Christopher Hitchens
(Inglaterra, 13 de Abril de 1949 – Estados Unidos, 15 de dezembro de 2011)

Durante boa parte da sua vida, Hitchens foi um aclamado comentarista político, conhecido pela seu vasto conhecimento acerca de história e geopolítica mundial. Considerado por vários críticos e autores como alguém profundamente erudito, tinha um estilo argumentativo ímpar e era considerado um dos melhores debatedores do seu tempo. Ateísta militante, Hitchens criticava duramente todas as vertentes religiosas, que considerava malignas em qualquer esfera. Não via quaisquer benefícios oriundos da religiosidade que não pudessem ser conseguidos por vias menos propensas a acumular ódio e fanatismo, como a filosofia e o humanismo secular.

Hitchens defendia que precisamos urgentemente de um novo iluminismo, já que enxergava nas religiões organizadas um perigo para o pensamento livre a liberdade individual. Listado pela Forbes como um dos 25 liberais mais influentes na história americana, denunciava e revelava as ameaças que as crenças representavam à liberdade de expressão e à investigação científica.

Faleceu de câncer, aos 62 anos. Em seu leito de morte, rejeitou a ideia de uma possível conversão, afirmando que a redenção e libertação sobrenatural pareciam-lhe, naquele momento, ainda mais ocas e artificiais do que antes.

Livro recomendado para a temática ateísta:
DEUS NÃO É GRANDE – COMO AS RELIGIÕES ENVENENAM TUDO
(Clique aqui para ler a resenha)

Separator

Daniel Dennett
(Estados Unidos, 28 de Abril de 1942)

Daniel Clement Dennett é um dos mais influentes filósofos da sua geração. Seu amplo estudo da filosofia da mente, em que analisa fenômenos psicológicos e a natureza da mente e dos estados mentais, é reconhecidamente uma das mais importantes contribuições à área. Um dos mais proeminentes ateus da atualidade, Dennett defende que a religião surgiu e desenvolveu-se na humanidade não como um fator intrínseco e inevitável da natureza humana, mas como um meme cultural que se replica e sobrevive como um vírus, capaz de se alimentar do medo do desconhecido e do desejo natural do ser humano de entender o universo e pertencer a algo maior. Um vírus com grande capacidade de se defender a ataques externos e que pode causar enormes males ao seu hospedeiro.

Dennett, também um “bright”, é um humanista laureado pela Academia Internacional de Humanismo e um palestrante de sucesso. Ele defende que a evolução por seleção natural é um processo algorítmico perfeitamente explicável através da matemática (e um pouco de aleatoriedade), argumentando que a moralidade tem origens biológicas bem claras e rejeitando completamente a origem religiosa da mesma.

Livro recomendado para a temática ateísta:
QUEBRANDO O ENCANTO: A RELIGIÃO COMO FENÔMENO NATURAL
(Clique aqui para ler a resenha)

Veja tambÉm...

6 respostas

  1. Juliano Vendramin disse:

    Excelente!!!

  2. Daniel Aranda disse:

    Ótimas indicações, será um prazer ler essas obras.

  3. Haru Glory disse:

    Excelente !! Irei aproveitar as dicas.

  4. Henrique de Almeida Lara disse:

    Como posso adquirir este livro?

  5. Kew disse:

    A bíblia possui tantos erros e contradições, é um cancer que num sai da cabeça desses desinformados… Kkk daora aquela parte que jesus mata a arvore

  6. Rubem Siqueira disse:

    Recentemente assisti o video de duas horas onde o 4,sentados em torno de uma mesa, despejam uma intelectualidade que chega assustar. Fantastico!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

PAPO DE PRIMATA precisa ter certeza de que você não é um robô! Por favor, responda à pergunta abaixo: * Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>