Opinião: O MAIOR ESPETÁCULO DA TERRA

O MAIOR ESPETÁCULO DA TERRA – AS EVIDÊNCIAS DA EVOLUÇÃO
(The Greatest Show on Earth: The Evidence for Evolution)
Richard Dawkins, 2009

Até este livro ser escrito, o biólogo Richard Dawkins já havia abordado o assunto da evolução em vários de seus livros. Explicou como a evolução acontecia do ponto de vista genético, examinou detalhadamente pontos específicos da seleção natural, fez viagens ao passado remoto em busca de nossos ancestrais mais primitivos. Mas até então não havia produzido uma obra onde discutia as evidências da evolução. Segundo suas próprias palavras, era uma lacuna na sua bibliografia, e “O MAIOR ESPETÁCULO DA TERRA – AS EVIDÊNCIAS DA EVOLUÇÃO” seria o seu ‘elo perdido’.

Em mais um livro de leitura fácil e envolvente, Dawkins despeja uma torrente de evidências e argumentos implacáveis, capaz de fazer o mais ferrenho criacionista admitir que não há como questioná-las no campo da ciência e da lógica. Impiedosamente, analisa os principais argumentos anti-evolucionistas e da Terra jovem, expondo-os até o cerne e mostrando a fragilidade dos seus pressupostos e a incoerência das suas conclusões. Caminhando com desenvoltura por áreas de diversas áreas científicas, da geologia à embriologia, Dawkins vai colhendo provas irrefutáveis que, unidas, não deixam margem à dúvidas que todas as espécies de seres vivos são selecionadas involuntariamente com base na adaptação facultada por mutações aleatórias no decorrer de gerações.

Assim como fez Charles Darwin, 150 anos antes, o biólogo utiliza exemplos retirados de orquídeas e abelhas, numa nítida homenagem ao pai da Teoria da Seleção Natural. Demonstrando claramente como as mutações concedem maiores chances de sobrevivência e reprodução aos indivíduos, Dawkins mostra por quais caminhos tortuosos as espécies evoluíram, através de “erros e acertos” e de verdadeiras “gambiarras” orgânicas, que evidenciam não só que não houve nenhum design inteligente, mas que a seleção natural privilegia nem sempre a melhor solução, do ponto de vista da funcionalidade, mas aquela que propicia maiores vantagens com os recursos disponíveis (algo que seria desnecessário para um projetista com receita ilimitada).

Colocando-nos na posição de detetives que analisam a cena de um crime abarrotada de provas, Richard Dawkins mais uma vez sabe as cartas que tem na manga e tem pretensões nada modestas: “A evolução é um fato, e este livro o demonstrará. Nenhum cientista que se preze o contesta, e nenhum leitor imparcial fechará o livro duvidando disso.”, afirma.

E não mente. Ao fim da obra, a sensação do leitor é de ter assistido a um show, não apenas de Dawkins, somente um mestre de cerimônias naquele picadeiro, mas da evolução através da seleção natural: o maior espetáculo da Terra!

Nota 10

Veja tambÉm...

1 resposta

  1. Daniel de Paula Ferreira e Medeiros disse:

    Resenha simples e direta ao ponto. Muito boa. Tenho 5 livros sobre evolução (três deles são do Richard Dawkins) que eu ainda não li e o primeiro a ser lido será “O Maior Espetáculo da Terra”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

PAPO DE PRIMATA precisa ter certeza de que você não é um robô! Por favor, responda à pergunta abaixo: * Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>